quinta-feira, 24 de junho de 2010

Sem ritmo, sem compasso e sem a graça.

A palavra te soa fácil. Você compreende, aceita e se encanta. Tá aí o problema. Já não se sabe mais o real sentido de nada, nem das letrinhas e nem de qualquer atitude. Tudo tem outra forma. Você vai dançando e vai se enrolando em um barbante e se iludindo com tudo o que te seduzir.

O que faz alguém te deixar tão belas coisas que na verdade não eram em tal proporção ou intenção? E o que faz alguém que no meio do caminho muda de idéia e não altera a sintonia do rádio pra você? Cabe a você perceber as entrelinhas que nem sempre são tão bem expressas? Você é o responsável por tentar entender a cabeça do outro?
Ando cansada demais até pra tentar. Não que não tenha feito, mas eu não me permito insistir em uma história que o enredo começa lindo e depois vai ficando chato, enjoado e no final ficam só batidas sem ritmo algum. Pode até ser que seja apenas um instrumento desafinado, um disco arranhando, só que o problema tá em mim. Eu não quero saber os motivos de não poder ouvir a mesma melodia todo dia, de não ver mais todo envolvimento que me trazia e todos os sentimentos que me despertavam. Faltava a dança, a contradança e você.
Não cabe mais a mim colocar a música de novo pra tocar.

3 comentários:

Soninho disse...

O texto foi muito lindo de se ler!
xD
O blog está de muito bom gosto....

E a música, bom, cada um é responsável pelo tom e pela melodia que gosta...aceitar o ritmo do outro é uma opção de quem quer fazê-lo.... Mas o diferencial mesmo é aceitar e não gostar....continuar tendo sua dança e a pessoa a dela, sem se misturar, mas ainda assim dançando juntos....
complexo....porém possível!

Wallace Azione disse...

Belas palavras!!Blog tá dando Show!!!

Maria Luíza. disse...

preciso nem dizer o quanto você se garante na escrita. É clichê retratar isso mais uma vez...

aaah, sentiu daí?
lhe bati, por me deixar um tempão sem seus comentários fantásticos.
kkkkkkkkkkkkkk

beijo linda!