sexta-feira, 23 de abril de 2010

A colheita é obrigatória

Me dê uma palavra. Eu faço um texto. Mas não é uma qualquer, aquela que fica no pé da página esquecida. Eu quero aquela que mexe com você, que tá dentro de você e que ocupa um grande espaço, tão grande que quase te sufoca.

Me dê uma música. Faço um concerto. Mas nada daquelas que não dizem nada, que façam muito barulho, que passem despercebidas. A que te lembra algo bom, de deixa em boa sintonia, te embala.

Mê dê um gesto. Largue seu lado bruto. Um toque suave que me tire dessa realidade.

Mê dê um objeto pra me agradar. Esqueça seu cheque, cartão de crédito, parcelamento ou crediário. Olha aí do seu lado deve ter algo pra arrancar meu sorriso.

Me dê um motivo pra tá perto de você. Não me venha com obrigatoriedade e chantagem. Dê uma justificativa que seja a mesma pra enfrentar uma guerra.

Se for do meu agrado, aguarde a retribuição.

2 comentários:

Wallace Azione disse...

Escreve muito bem!! quando eu crescer quero escrever assim hehe!!

Mayara Árvore de Azeitona disse...

meu sim ahha
brigada amor, seus textos tbm são liiiindos lindos! de verdade